Relações Brasil-China

Um meio e não um fim

22 MAY 2023
Relações Brasil-China

Em seu discurso de posse, o Presidente Lula ressaltou a importância de recuperar a presença internacional do Brasil - promessa que ele começa a cumprir, logo, em seus primeiros meses de presidência. Seja pelo envio de representantes à diversos outros países, como a visita de Mauro Vieira, Ministro das Relações Exteriores do Brasil, à Croácia, ao México e ao Paraguai; pelo recebimento de visitas ao Brasil, como do Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov; e por visitas do próprio Presidente aos Estados Unidos, Emirados Árabes, Portugal, Argentina, Uruguai e China. O objetivo destas visitas é reverter o desprestígio acumulado ao longo dos últimos anos no campo das Relações Exteriores. Como declarou Mauro Vieira, busca-se superar o isolamento e dar início a um ciclo de reconstrução.

O Brasil, desde o início dos anos 2000, ainda durante o governo Fernando Henrique Cardoso, cultivava uma imagem internacional de país pacífico, participativo e confiável¹. Imagem que favoreceu a abordagem de política externa “altiva e ativa” de Celso Amorim, quando foi Ministro das Relações Exteriores, durante os primeiros governos Lula. Essa política buscava mostrar de forma mais ativa o perfil independente da política externa brasileira, e tinha como objetivo reforçar o papel do país como um player internacional.

Historicamente, o Brasil busca estabelecer o seu próprio perfil de política externa sem alinhamentos automáticos às grandes potências desde a década de 1960, aquando do lançamento da Política Externa Independente (PEI). Este posicionamento foi evidenciado durante o governo Geisel, quando o Brasil reconheceu a República Popular da China antes mesmo de os Estados Unidos o fazerem. A forma como esta autonomia é cultivada nos governos Lula tem como foco a diversificação que traduz-se em ampliar os países com os quais o Brasil mantém, não só, relações diplomáticas, mas também, fluxo comercial. Esta direção auxilia o Brasil a depender menos de investimentos e comércio provenientes, em grande medida, do mundo desenvolvido.

Em 2004, pouco mais de um ano após assumir a presidência em seu primeiro mandato, Lula viajou à China com um grupo de quatrocentos empresários brasileiros. O relacionamento bilateral já era cordial e, de acordo com Clodoaldo Hugueney, embaixador brasileiro em Beijing na época, o gesto chamou a atenção dos chineses, que passaram a ensaiar maiores aproximações. Não foram fechados muitos acordos naquela visita, mas, o tamanho da comitiva capitaneada pelo próprio presidente, demonstrou a importância atribuída pelo Brasil à construção de relações mais próximas. Nos anos seguintes, o comércio chinês com o Brasil aumentou substancialmente, elevando a China ao patamar de principal parceiro comercial brasileiro².

A visita realizada em abril de 2023, foi a terceira visita oficial de Lula à China, e busca, mais uma vez, apresentar o Brasil como ator sério e aberto a negociações³. Após anos de uma política externa inercial do governo Dilma, outra de transição com o governo Temer, e a última de disrupção com Bolsonaro, o governo Lula busca recuperar a credibilidade internacional e a posição de um dos líderes dos países em desenvolvimento - plano cultivado desde os seus primeiros mandatos.

Nesta visita, Lula foi acompanhado de deputados, senadores, empresários, e de grandes expectativas. A agenda original compreendia a assinatura de cerca de trinta acordos - número que, a pedido do governo chinês, foi reduzido para quinze - abordando desde o estreitamento comercial e a promoção de investimentos, até parcerias para produções televisivas conjuntas, além de outros acordos fechados com empresas brasileiras como JBS, Seara e Friboi.

As relações sino-brasileiras são, assim, marcadas pelo pragmatismo, ou seja, evitam pautas sensíveis envolvendo assuntos considerados internos pela China e questões de segurança internacional, como aquelas relativas a Taiwan ou ao Mar do Sul da China. Apesar da existência de acordos de cunho cultural - importantes para a promoção dos laços em todos os níveis - as relações entre o Brasil e a China estão concentradas nas esferas econômica e tecnológica. O Brasil espera atrair investimentos para fomentar o crescimento industrial e tecnológico, principalmente na área de desenvolvimento sustentável. A China, por sua vez, carece de recursos primários, encontrados em abundância no Brasil. Interessa observar que a abordagem adotada pela administração Lula supera a utilização das commodities como simples mercadorias de transação comercial, empregando-as como forma de atrair a atenção e convidar a China a participar de forma mais construtiva no relacionamento bilateral, de forma a diminuir os graus de assimetria.

Apontando para a nova realidade no cenário internacional, de tendências crescentemente multipolares, e também levando em conta a situação político-econômica doméstica do Brasil - que diferem do contexto durante os primeiros mandatos do governo Lula na primeira década dos anos 2000 - parte da comunidade internacional questionou a ingenuidade das aspirações da visita4. No entanto, a retomada da diplomacia presidencial pode ser vista como um dos indicadores da existência de um projeto mais amplo para o relacionamento com a China: ultrapassar as trocas comerciais, possibilitando maior equilíbrio nas interações e representando mais assertivamente os interesses nacionais brasileiros. Relações mais aprofundadas com a China não são um fim, mas, um meio para a construção da posição brasileira de líder do sul global.

Referências

  1. Tullo Vigevani, Marcelo F. de Oliveira, Rodrigo Cintra, “Política externa no período FHC: a busca de autonomia pela integração,” Tempo Social - USP 2, no. 15 (2003): 31-61, https://www.scielo.br/j/ts/a/mvGDVSGydQkVyxxCSjxyQ9f/abstract/?lang=pt

  2. Ana Carolina Silva e Bruna Eduarda Frutuoso, “A relação bilateral Brasil-China no governo Lula – 2003 a 2011,” Relações Exteriores, Outubro 3, 2021, https://relacoesexteriores.com.br/relacao-bilateral-brasil-china/.

  3. Clodoaldo Hugueney Filho, “O Brasil em Crises Internacionais,” Entrevista por Oliver Stuenkel e Kelly de Souza Ferreira, CPDOC FGV, Novembro 11, 2014, https://www18.fgv.br/cpdoc/acervo/historia-oral/entrevista-tematica/clodoaldo-hugueney-filho

  4. “Brazil’s foreign policy is hyperactive, ambitious and naive,” The Economist, Abril 10, 2023.

Imagem: Ricardo Stuckert/Agência Senado

The opinions expressed in this article do not reflect the institutional position of Observa China 观中国 and are the sole responsibility of the author.

Observa China 观中国 Newsletter

By subscribing, you agree with the Observa China 观中国 Privacy Policy, as well as with the Privacy Policy and Terms of Use of Substack.

© 2024 Observa China 观中国. All rights reserved.

© 2024 Observa China 观中国. All rights reserved.